Você é Insubstituível…

Alô, Alô, Bom Dia,

Aqui ninguém é insubstituível!

Já ouviu esta afirmação alguma vez?

Ah, desculpe-me! Tenha um Bom Dia, hoje.

Mas foi de propósito a provocação inicial.

Porque todos nós temos alguma coisa que absolutamente ninguém no universo seja capaz de nos substituir. De tomar nosso lugar. Mas no mundo, muitas vezes, pessoas são tratadas como “descartáveis” ou mesmo, substituíveis.

Para deixar claro e fazer você entender que você tem valores e talentos que absolutamente ninguém mais tem, eu me inspirei em um artigo “Ninguém é insubstituível” da Consultora Celia Spangher.

Me acompanhe!

Na sala de reunião de uma multinacional o Presidente, nervoso fala com sua equipe de gestores. Agita as mãos mostrando gráficos e relatórios, olhando nos olhos de cada um ameaça: “ninguém é insubstituível”.

A frase parece ecoar nas paredes da sala de reunião em meio ao silêncio. Os gestores se entreolham, alguns abaixam a cabeça. Ninguém ousa falar nada.

De repente um braço se levanta e o Presidente se prepara para triturar o atrevido:

– Alguma pergunta?

– Tenho sim. E o Beethoven?

– Como? – o Presidente encara o gestor confuso.

– O senhor disse que ninguém é insubstituível e quem substitui o Beethoven?

Silêncio na Sala.

Pensamento Para Inspirar Seu Dia de Hoje
“Talento é dom e paixão, um desejo de vencer tão intenso que nenhuma força no mundo consegue detê-lo”.
(Neil Simon)

Ouvi essa estória contada por um profissional de consultoria, é muito pertinente ao mundo que vivemos, principalmente no mundo corporativo. Afinal as empresas falam em descobrir talentos, reter talentos, mas, no fundo continuam achando que as pessoas, enquanto profissionais são peças dentro da organização e que quando sai um é só encontrar outro para pôr no lugar.

Mas, Quem substitui um Beethoven? Tom Jobin? Ayrton Senna? Ghandi? Frank Sinatra? Garrincha? Michael Phelps? Santos Dumont? Monteiro Lobato? Elvis Presley? Os Beatles? Jorge Amado? Paul Newman? Tiger Woods? Albert Einstein? Picasso?

Todos esses talentos marcaram a História fazendo o que gostam e o que sabem fazer bem – ou seja – fizeram seu talento brilhar. Portanto são sim insubstituíveis.

Cada ser humano tem sua contribuição a dar e seu talento direcionado para alguma coisa.
Está na hora dos líderes das organizações reverem seus conceitos e começarem a pensar em como desenvolver o talento da sua equipe focando no brilho de seus pontos fortes e não utilizando energia em reparar as falhas.

Mas também cabe cada pessoa, e ai que quero que você fique atento ao seu talento, e naquilo que você é ou seria insubstituível.

Já pensou?

Porque ninguém lembra e nem quer saber se Beethoven era surdo, se Picasso era instável, Kennedy egocêntrico, Elvis paranoico.

O que queremos é sentir o prazer produzido pelas sinfonias, obras de arte, discursos memoráveis e melodias inesquecíveis, resultado de seus talentos.

Pensar em talentos insubstituíveis é mudar o olhar sobre as pessoas. E ajudá-las a brilhar. Assim não se corre o risco de descartar um Garrincha por ter as pernas tortas, Albert Einstein por ter notas baixas na escola, Beethoven por ser surdo e Gisele Bündchen por ter nariz grande.

Quem sabe agora neste momento, sob esta nova visão o mundo está ganhando um novo Talento! Você…

Pensa nisso, hoje!

Tenha um bom dia!

Até a próxima.

E nos esbarramos por aí*.

* em algum texto, postagem, e-mail e por que não, num café?

Sigmar Sabin

2 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.