Mantenha seu o cérebro ativo e conectado…

Alô, Alô Bom Dia,

Como vai?

Sabe que conversando pessoalmente com algumas pessoas, eu já me preparo para ouvir, respostas costumeiras como: “tudo bem”, “hoje não estou muito bem”, “Ah, sabe como é…”.

Mas há alguns dias ouvi uma jovem aluna, que me fez pensar: “Ah professor, hoje estou me sentindo uma velha. Minha cabeça não está funcionando mais”…

Fiquei espantado e ao mesmo tempo, isso me deu uma certeza, de algo que acredito já faz muito tempo: Idade é coisa da nossa cabeça. Aliás e sempre falo em aula e nas palestras que prefiro conviver com jovens de 80 anos do que com velhos de 18 ou 20 e poucos.

Mas é que me motivou a trazer este assunto para nosso encontro de hoje?

Foi um artigo que acabei lendo recentemente, sobre estudos neurocientistas fizeram e transformaram em dicas para manter o cérebro ativo, conectado e manter as pessoas adultas a continuar apreendendo. Que é sem dúvidas uma ótima forma de manter-se jovem.

Leia a seguir a matéria na Integra:

Fonte: https://cio.com.br/como-manter-o-cerebro-100-conectado/

PENSAMENTO PARA INSPIRAR UM BOM DIA HOJE
“Não existe fórmula secreta. Somente a organização e a disciplina permitem que uma pessoa desempenhe todos os seus papeis e dê conta de todas as suas atividades de forma equilibrada e harmoniosa.”
(Abilio Diniz)
#sigmarsabin #tenhaumbomdiahoje #palestrasquetransformam

Neurocientista lista seis passos indispensáveis para que o cérebro de pessoas adultas siga aprendendo!

Diferente do que se pensava anos atrás, o cérebro adulto também consegue se conectar e aprender novas tarefas. Não exatamente como o cérebro de uma criança, explica Carla Tieppo, professora e pesquisadora da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. O cérebro mais velho consegue absorver novas habilidades por permanecer plástico até o fim da vida.

“A capacidade de plasticidade do cérebro tem variações ao longo da vida. Durante a infância e a adolescência, a neuroplasticidade flui. Na vida adulta, surgem vários freios moleculares e fisiológicos que agem para desligar essa neuroplasticidade, mas isso não acontece totalmente”, afirma a neurocientista.

Diferentemente de um bebê que tem um cérebro que experimenta “plasticidade para tudo”, o adulto precisa de um esforço a mais. Um bom exemplo disso são os atletas, cirurgiões, músicos e grandes nomes da literatura e da arte que, além do talento inato, também investem horas praticando.

“Se pudéssemos mapear os cérebros dessas pessoas, poderíamos ver um excepcional desempenho que é adquirido durante aproximadamente dez anos de prática. E essa prática não é um simples treinamento. É uma atividade altamente estruturada em que a pessoa se envolve com o objetivo específico de melhorar sua performance. E isso envolve repetições, esforço e feedback do treinador ou mentor”, diz Carla Tieppo.

Aliados à prática, existem outros fatores que ajudam a pessoa a aprender uma nova habilidade, como motivação, pensamento positivo e visualização do objetivo.

Confira os seis passos para conectar o cérebro e aumentar sua plasticidade e domínio:

1 – Encontre uma motivação
– Qual é seu objetivo? Qual habilidade, comportamento ou mentalidade que você quer aprender, mudar, dominar ou aperfeiçoar?
– Ter clareza em torno do seu objetivo gera confiança, motivação e excitação ao invés de medo e incerteza;
– Saber qual é o seu objetivo permite estabelecer “metas mínimas”;
– Essas metas mínimas te preparam para algumas vitórias fáceis iniciais. Vitórias fáceis que fecham um ciclo de feedback e disparam os caminhos de recompensa da dopamina no cérebro. Recompensa aumenta o aprendizado e ativa motivação.

2 – Envolva-se com a tarefa
– Foque em aprender uma nova habilidade;
– Determinação em uma tarefa é vital (multitarefa leva ao esgotamento cognitivo);
– Tenha um professor, treinador ou guia para te fornecer um feedback;
– Um aviso para professores, treinadores ou guias: você deve agir como um recurso e não como um microempresário do processo. Motivação vem da autonomia e do domínio. Nós todos respondemos a recompensas internas e não externas;

3 – Encontre o ponto principal entre o tédio e o medo
– Encontre seu fluxo. Do ponto leve ao moderado de ativação, o cérebro está em ótimo estado para aprender. Em níveis muito baixos ou muito altos de estimulação, a aprendizagem é inibida. Nós vemos isso em todos os níveis neurobiológicos desde a sinapse até o comportamento;
– Tédio é um sintoma de subexcitação – talvez a nova tarefa não esteja testando você. Tente preparar um objetivo maior, mudar alguns pontos do objetivo ou mudar o ambiente em que você está treinando;
– Medo é um sintoma de excesso de excitação – talvez a tarefa esteja muito difícil. Isso supera seu nível de habilidade? Talvez você não tenha “mirado” seu desafio em partes ou projetos viáveis;

4 – Imagine
– Pensar e fazer estão no mesmo cérebro. As mesmas áreas do cérebro são ativadas quando você completa uma atividade motora e quando você ensaia mentalmente a mesma tarefa;
– Músicos e atletas comumente usam ensaio ou visualização mental para ajudar a ativar o domínio;
– Você pode ensaiar mentalmente como você vai responder emocionalmente a um evento. Tente ensaiar como você vai responder emocionalmente se você acertar um obstáculo ou falhar;
– O ensaio mental pode ser pensado como prática quando você não consegue praticar

5 – Repita
– Pratique (pratique e pratique) sua nova habilidade, comportamento e mentalidade;
– Neurônios que “acendem” juntos, ficam ligados. Neurônios que estão fora de sincronia falham ao se conectar;
– A prática supera o talento. O gênio não nasce gênio. Em vez disso, ele constrói sua capacidade de dominar o que quer fazer;
– É aqui que a determinação entra. Detalhe, a prática nem sempre é divertida.

6 – Amplie. Saia da sua zona de conforto
– Repetir a mesma tarefa várias vezes não é o suficiente para melhorar. Você deve praticar no limite da sua capacidade;
– Amadores praticam até fazerem tudo corretamente. Profissionais praticam até que não possam errar.


E então, essa informação foi útil para você? Pode ser útil para alguém que você gosta? Compartilhe!

E me conta também o que você pensa a respeito deste assunto!

Pense nisso…

Tenha um bom dia hoje.

Até a próxima.

Sigmar Sabin
Palestrante, Escritor, Professor e Aprendiz da vida.
#tenhaumbomdiahoje, #professorsigmarsabin

Hei,, esta mensagem fez sentido para você? Então compartilhe sua opinião comigo, como um comentário aqui no site, no facebook, no linkedin ou mande um email. Que vou ficar muito feliz ao receber.

Agora se você não gostou. Comente também, para eu aprender e melhorar.

Indique o Bom Dia Hoje para seus amigos http://www.bomdiaHoje.com.br/cadastre-se/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.